Marcha do Bairro Alto

Esta marcha data de 1938 e é da autoria de Carlos Neves. Diz-nos Daniel Gouveia, no seu excelente livro Ao fado tudo se canta, que a letra original de Nuno de Aguiar foi várias vezes alterada pelos fadistas. Sugere-se, a esse respeito, a leitura da variante cantada por Carlos do Carmo.

Ao tocarmos à viola, este fado é bastante simples, apresentando apenas dois acordes como base (G e D7).

Vídeo para exercício:

Apontamentos prévios:

  • O acorde de D7 pode-se fazer de 3 maneiras diferentes na mesma música : xx0212, (5)57575, (5)5453x
  • O esquema (c) recomenda-se sobretudo depois do refrão (“Por isso é que mereceu…”).

Nota habitual :
São assinalados (entre parênteses) por a, b, c, etc., os esquemas de transição mais comuns. Esses esquemas são representados mais abaixo neste artigo (clique na imagem para ampliar). Agradeço todos os comentários e correcções: lembro que sou apenas um amador que toca fado para divertimento pessoal.

Introdução: G – D7 – G + parte final do esquema (a) (0-1-2-3 da corda de Mi grave)

G                                                            D7 (c)
Bairro Alto com seus amores tão delicados
.                                    G
Certa noite deu nas vistas
.                                    D7
E saíu com os trovadores mais o fado
.                                    G
Pr’a fazer suas conquistas
.                                 D7
Tangeu as liras singelas,

Lisboa abriu as janelas,
.                                 G (b)
Acordou em sobressalto
.                                  D7
Gritaram bairros à toa
Silêncio velha Lisboa,
.                                  G
Vai cantar o Bairro Alto

.                                            D7
Trovas antigas, saudade louca
.                                                                G
Andam cantigas a bailar de boca em boca
.                                                D7
Tristes bizarras, em comunhão
.                                                                   G (d)
Andam guitarras a gemer de mão em mão

Por isso é que mereceu fama de boémio
Por condão ou fatalista
Atiraram-lhe com a lama como prémio
Por ser nobre e ser fadista
Hoje saudoso e velhinho,
Recordando com carinho seus amores suas paixões
Pr’a cumprir a sina sua
Ainda veio pr’o meio da rua, cantar as suas canções

Trovas antigas, saudade louca
Andam cantigas a bailar de boca em boca
Tristes bizarras, em comunhão
Andam guitarras a gemer de mão em mão

Esquemas de transição:

Marcha do Bairro Alto

Esta entrada foi publicada em O Fado de Lisboa. ligação permanente.

4 respostas a Marcha do Bairro Alto

  1. bitnuno diz:

    Muitos Parabéns. Sou um acompanhante assíduos.

    Tenho uma proposta: Convença um seu colega da Guitarra Portuguesa a fazer o mesmo também …

    Um pedido: O Fado Acácio (quero acompanhar o Venho Falar dos Meus Medos da Ana Moura)

  2. Diogo Aranha diz:

    “Gritaram bairros à toa” aqui passa pelo lá menor e só depois é que vai ao ré 7! Acho eu….

  3. Pingback: De Volta À Guitarra – Musiquinha Fácil | Contador D'Estórias

  4. Carla diz:

    A música deste fado é de Autoria de Francisco Carvalhinho. É bom que não se vá perdendo ou adulterando informação porque é assim que a história do fado acabo por ficar alterada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s