Fado Alberto

O Fado Alberto, da autoria de Miguel Ramos. Utilizamos aqui a letra cantada por Kátia Guerreiro, Incerteza, da autoria de João Mário Veiga. Pode-se também optar pela letra cantada por Camané, O espaço e o tempo (autora: Manuela de Freitas), ou ainda pela letra Aquela Igreja, cantada por António Severino (autor: Marques Vidal).

Fica aqui para exercício esta excelente interpretação de Luís Motta (guitarra portuguesa) e Mário Ribeiro (viola de fado). O vídeo encontra-se no canal Youtube GuitarLisbon.

Apontamentos prévios:

  • Pode-se tocar o acorde de F#7 de três maneiras diferentes (recomenda-se o uso das três formas durante a música) : 244322, x4435x, (9)9897x
  • Pode-se tocar o acorde de Bm de duas maneiras diferentes (recomenda-se o uso das duas formas durante a música) : (2)24432, 799777

Nota habitual :
São assinalados (entre parênteses) por a, b, c, etc., os esquemas de transição mais comuns. Esses esquemas são representados mais abaixo neste artigo (clique na imagem para ampliar). Agradeço todos os comentários e correcções: lembro que sou apenas um amador que toca fado para divertimento pessoal.

Intro : G (a) F#7 (b) Bm (c,d)

Bm                                     (a) F#7 (e)
No principio era tudo bem distante
.                                          Bm (f)
E o futuro lá longe bem incerto
B7                                                  Em (g)
Só o nosso amor não estava ausente
A7                                                   D
Fazendo da distância um lugar perto
G                                                  F#7
Só o nosso amor não estava ausente
.                                                      Bm
Fazendo da distancia um lugar perto

Foi bom inventarmos o caminho
Que nos trouxe aqui a felicidade
Lugar onde ninguém chega sozinho
Onde os sonhos se tornam realidade
Lugar onde ninguém chega sozinho
Onde os sonhos se tornam realidade

O amanhã é amanhã um novo dia
Onde te vejo sempre do meu lado
Por ti mudava o mundo e repetia
A aventura que canto neste fado
Por ti mudava o mundo e repetia
A aventura que canto neste fado

Esquemas de transição:

Fado Alberto (a-d)

Fado Alberto (e-g)

Publicado em O Fado de Lisboa | 2 Comentários

Fado das Tamanquinhas

Desconheço o autor do poema bem como da música, nem consigo identificar quem canta esta versão. (Agradeço desde já a quem me indicar estes dados.)
Esta música foi cantada, entre outros, por Amália Rodrigues. Trata-se de um fado bastante fácil de tocar, mas convém dar especial atenção à parte E7-F-E7 dos 3° e 4° versos.

Fica aqui o vídeo para acompanhar o exercício.

Apontamentos prévios:

  • Descida de Am para E7 no 3° verso de cada estrofe faz-se com a 3ª corda
  • E7 faz-se em (7)7675x (alterna-se a corda de E com a corda de A)
  • O acorde de F do 4° verso faz-se em x87565

Nota habitual :
São assinalados (entre parênteses) por a, b, c, etc., os esquemas de transição mais comuns. Esses esquemas são representados mais abaixo neste artigo (clique na imagem para ampliar). Agradeço todos os comentários e correcções: lembro que sou apenas um amador que toca fado para divertimento pessoal.

Intro: F – Am – E7 – Am

Am       G      F        E7   (a)
De cantigas e saudades
.                               Am (b,c)
Vive esta linda Lisboa!
Am       G       F         E7
Faz loucuras e maldades,
F                                     E7
Mas, no fundo, pura e boa
.                           Am (b,c)
Nas suas leviandades!
Am        G      F         E7
Faz loucuras e maldades,
F                                     E7
Mas, no fundo, pura e boa
.                            Am (b,c)
Nas suas leviandades!

Burguesinha no Chiado
No seu pátio, costureira,
Nos retiros, canta o fado,
No mercado é regateira
E o Tejo é seu namorado.

Faz das cantigas pregões,
Gosta do sol e da lua,
Vai com fé nas procissões,
Doida nas marchas da rua,
Tem ciúmes e paixões.

Viva esta linda Lisboa
Diferente de outras cidades.
É vaidoso o Madragoa,
Defeitos e qualidades,
Tudo tem esta Lisboa

Esquemas (assinalados por a, b e c na cifra)

Fado das Tamanquinhas

Publicado em O Fado de Lisboa | 4 Comentários